Projectos
GREENMOTION
Criação de uma rede galaico-portuguesa para impulsionar a utilização de materiais verdes no automóvel
ver mais
Consórcio: CTAG, CIS-Madeira e PIEP

Período: Janeiro 2011 a Junho 2013

O GreenMotion teve como principais objectivos: promover a incorporação de materiais "verdes" nos veículos e criar uma rede galaico-portuguesa de empresas do sector automóvel interessadas nesse tópico. O projecto, que contou com co-financiamento europeu (fundos FEDER, programa POCTEP).


ECOPLAST
Investigação de novos materiais biocompósitos com base em matérias renováveis para aplicação na indústria automóvel
ver mais

Consórcio: 13 instituições europeias, integrando o PIEP e liderado pela CTAG (Espanha).

Período: Junho 2010 a Maio 2014

O projecto europeu Ecoplast, realizado no âmbito do 7º Programa Quadro, reúne investigadores de várias instituições científicas e de empresas para desenvolver biocompósitos, “feitos à medida”, que satisfaçam as especificações exigidas pela indústria automóvel e que sejam passíveis de processamento nas linhas de produção existentes.

 


ECOTRAIN
Novas soluções em compósitos de cortiça para a nova geração de comboios de muito alta velocidade
ver mais
Consórcio: Amorim Cork Composites, Alstom Portugal, ISQ e PIEP

Período: Novembro 2009 a Abril 2012

O projecto EcoTrain visou explorar a aplicação de um material compósito para Comboios de Muito Alta Velocidade, integrando soluções de materiais com cortiça. A utilização da cortiça, sob a forma de compósitos, em soluções inovadoras para pisos, paredes laterais e divisórias permitiu atingir alguns dos objectivos definidos, tendo-se destacado a redução das emissões de CO2 (em conformidade com o novo quadro normativo europeu para a indústria ferroviária), o aumento do conforto térmico e acústico, além do espaço disponível.


AEROCORK
Integração de materiais à base de cortiça em compósitos no fabrico de aeronaves ultraleves
ver mais
Consórcio: Dyn´Aero Ibérica, Active Space Technologies, Amorim Cork Composites e PIEP

Período: Janeiro 2009 a Dezembro 2012

O projecto AEROCORK desenvolveu e testou a utilização de materiais compósitos de cortiça na construção de aviões civis ultraleves. Com este projecto foi possível promover o desenvolvimento de um avião ultraleve ecológico, através da produção, ensaio e certificação de compósitos de cortiça, com o propósito de substituir materiais sintéticos em aviões da Dyn'Aero Ibérica. O PIEP foi responsável pela previsão do comportamento mecânico dos aglomerados e pelo desenvolvimento de modelos constitutivos, através de sistemas avançados de simulação computacional.


PLASCORK AUTOMOTIVE
Desenvolvimento de soluções para interiores de automóvel integrando materiais à base de cortiça
ver mais
Consórcio: Simoldes Plásticos, Amorim Cork Composites e PIEP

Período: Janeiro 2009 a Abril 2012

O projecto Plascork Automotive procurou desenvolver componentes para o interior do habitáculo automóvel, incorporando cortiça numa matriz polimérica, de forma a tirar partido das suas excelentes propriedades e características estéticas e funcionais. O projecto congrega três parceiros com sinergias, conhecimentos e capacidades complementares. O PIEP, enquanto entidade do SCTN, contribuiu com o seu conhecimento ao nível dos materiais, engenharia e processamento.


VALORCEL
Desenvolvimento de sistemas poliméricos reforçados com fibras de celulose, valorizando a aplicação em produtos eco-sustentáveis
ver mais

Consórcio: Portucel, Raiz e PIEP

Período: Maio 2010 a Abril 2012

 


O projecto Valorcel, apoiado pelo Sistema de Incentivos ao I&DT no âmbito do COMPETE, envolveu um investimento elegível de 565mil euros, correspondendo a um incentivo FEDER de 385 mil euros.

Entidades Promotoras
O projecto de I&DT denominado Valorcel é uma co-promoção com as seguintes entidades do SCT:

  • PIEP - Pólo de Inovação em Engenharia de Polímeros - é uma associação privada sem fins lucrativos, de matriz marcadamente tecnológica e científica, cuja actividade é suportada num modelo de gestão empresarial. Foi criado em 2001 por iniciativa do sector industrial, em estreita colaboração com a Universidade do Minho - através do Departamento de Engenharia de Polímeros (DEP-UM) - e com o IAPMEI. O PIEP tem por missão responder, em tempo oportuno ás necessidades de I&D+I das empresas, desenvolvendo materiais e produtos inovadores.
  • e o RAIZ - Instituto de Investigação da Floresta e Papel - é uma organização sem fins lucrativos estabelecida em 1996 e que constitui uma plataforma de pesquisa líder em Portugal trabalhando inserida numa rede a nível do sector e várias universidades nacionais e internacionais. A sua missão é a de melhorar a competitividade através de Investigação Aplicada, Suporte Tecnológico e Formação Especializada.

O promotor líder é a Portucel.

As indústrias florestais em Portugal são estruturantes para a economia representando cerca 9% do total de exportações de bens.
O grupo Portucel Soporcel tem um forte contributo para a economia nacional representando cerca de 3% das exportações nacionais de bens. Dispõe de um modelo de negócio verticalmente integrado – floresta, pasta de celulose, energia renovável e papel -  alicerçado na investigação florestal, industrial e de produto, na inovação tecnológica e de processos e no desenvolvimento de produtos com uma proposta de valor diferenciada e reconhecida como tal pelo mercado global.

Através de um parque industrial eficiente e tecnologicamente sofisticado, o Grupo tem uma capacidade anual para produzir 1.6 milhões de toneladas de papel, 1.4 milhões de toneladas de pasta de papel, das quais mais de 80% são transformadas em papel, e 2.5TWh de energia, em grande parte obtida a partir de fontes renováveis. É líder mundial no segmento Premium de papéis de escritório.

Em termos estratégicos, o desenvolvimento de I&D e a aposta na inovação sempre foram vitais para o grupo Portucel Soporcel, dada a vocação pelo posicionamento dos seus produtos em segmentos de elevado valor acrescentado.

A área de Investigação, focada no desenvolvimento da produção florestal e do processo produtivo, possibilitou ao grupo Portucel Soporcel implementar as melhores práticas nas suas actividades, factor essencial para a competitividade do negócio. A competitividade do grupo Portucel Soporcel assenta assim num modelo de negócio cuja proposta de valor se encontra alicerçada na sustentabilidade do processo de inovação, traduzido, entre outros aspectos, na conceptualização e desenvolvimento de produtos premium e marcas próprias, que representam actualmente mais de 60% das vendas de produtos transformados em folhas (os produtos de maior valor acrescentado).

Enquadramento
O aumento das restrições ambientais e a constante procura da performance aliada á sustentabilidade tornam muitos materiais plásticos incompatíveis com as normas de certificação ambiental que estão a ser implementadas em sectores como, o automóvel, calçado e aeronáutica. Assim, a substituição de componentes por equivalentes de compósitos de fibras de celulose torna-se uma alavanca para competitividade quando baseada no custo e desempenho das matérias-primas.

Estes compósitos para além de apresentarem propriedades estruturais interessantes, possuem outras características que lhes conferem uma aplicabilidade multifacetada. Para o sector de produção de fibra de celulose trata-se de criar novas oportunidades de geração de valor e de escoamento de produtos e subprodutos, numa actividade estruturada no panorama industrial Português.

Este projecto é baseado no potencial das entidades com elevado know-how específico, e nas sinergias com as entidades do SCT, de modo a fomentar a inovação dos produtos e a posicioná-los competitivamente no mercado global. Neste contexto, o projecto consiste no desenvolvimento de sistemas inovadores baseados em compósitos de fibras de celulose, para substituição de componentes plásticos de elevado desempenho mecânico e outros.

A fibra de celulose, derivada de vários subprodutos da produção de pasta de papel, será combinada com diferentes materiais poliméricos (sintéticos e biodegradáveis), sendo optimizado o seu comportamento em serviço, para dadas aplicações específicas (p.e., componentes para a industria automóvel).

 

As preocupações ambientais têm levado à introdução de materiais mais eco-sustentáveis em componentes plásticos, reduzindo o seu impacto ambiental. De entre estes, salientam-se os polímeros de origem em fontes naturais renováveis e os polímeros biodegradáveis, vulgarmente denominados de biopolímeros, e que têm sido, ultimamente, extensivamente estudados. A combinação das crescentes exigências de desempenho dos materiais plásticos em produtos avançados de engenharia, com as preocupações ambientais, conduziu ao desenvolvimento de materiais compósitos de matriz polimérica e reforços com fibras naturais. O interesse nestes novos polímeros de engenharia mais eco-sustentáveis é transversal a vários sectores industrias: a indústria automóvel, aeronaútica, ao dispositivo médico, à embalagem, ao calçado e têxtil, apenas para numerar alguns sectores. A indústria automóvel tem já alguma experiência na incorporação progressiva nos seus componentes de polímeros reforçados com fibras naturais.

Os desenvolvimentos destes biocompósitos têm sido orientados segundo dois vectores diferentes:

  • a incorporação de fibras naturais em polímeros sintéticos derivados do petróleo; e
  • a adição de fibras naturais a biopolímeros, conduzindo a materiais baseados a 100%  em fontes naturais renováveis (biocompósitos).

 

Projecto
O projecto proposto visa estudar a possibilidade de aplicação da fibra de eucalipto em materiais compósitos, substituindo parcialmente o recurso a polímeros sintéticos. Esta valorização da fibra de celulose representa uma inovação com os seguintes ganhos potenciais:

  • Promove a inovação pelo desenvolvimento de novos produtos poliméricos mais competitivos, diminuindo o seu impacto ambiental pela incorporação de um componente 100% natural;
  • Aumenta a competitividade na respetiva cadeia de valor, através da incorporação de novos conhecimentos e capacidades para o desenvolvimento de produtos inovadores e diferenciadores;
  • Permite avaliar o comportamento da fibra de celulose/eucalipto, como componente de compósitos poliméricos inovadores;
  • Potencia o desenvolvimento de canais alternativos, e de maior valorização, para subprodutos do processo de fabrico de pasta de papel.

O carácter inovador do projecto decorre do desenvolvimento de novos materiais poliméricos com incorporação de fibras de eucalipto com características específicas diferenciadoras e do desenvolvimento de tecnologia adequada para o seu processamento. Novas aplicações com valor acrescentado para subprodutos não valorizados da indústria de celulose constituirão uma inovação relevante com forte contributo para a sustentabilidade ambiental do sector.

Mais informação em http://valorcel.piep.pt.


BIOIN09
Produtos inovadores a partir da reciclagem de pneus
ver mais
Consórcio: BIOSAFE e PIEP

Período: Novembro 2009 a Junho 2012

O projecto BIOIN09 permitiu encontrar novas aplicações tecnologicamente mais desenvolvidas, concebendo um produto final inovador, de elevado valor acrescentado, baseado em misturas de granulado obtido por trituração de pneus usados e materiais poliméricos. Pretendeu-se ainda seleccionar aditivos anti-odor, com vista a alargar a aplicação a sectores industriais em que o tradicional cheiro a borracha constitua uma limitação à utilização.


TRAVETEC
Travessas de caminho de ferro em plástico reciclado
ver mais

Consórcio: PIEP, Extruplás e Centro de Valorização e Resíduos

Período: Maio 2012 a Abril 2014

O projecto tem como objectivo o desenvolvimento de travessas para assentamento de linhas de caminho-de-ferro em material compósito, maioritariamente constituído por plásticos provenientes da fileira dos plásticos mistos.

 


ECOACUSTIC
Desenvolvimento de produtos de segurança rodoviária com base no aproveitamento de plásticos mistos
ver mais
Consórcio: PIEP e Extruplás

Período: Abril 2013 a Março 2015

O projecto tem como objectivo o desenvolvimento de produtos de segurança rodoviária (painéis acústicos para barreiras sonoras de auto-estrada) com base no aproveitamento de plásticos mistos, que pelas suas características mecânicas, acústicas e estéticas se apresentam em condições de competir com os existentes actualmente no mercado.


PLUMA
Desenvolvimento de reservatório de gás
ver mais

Consórcio: Amtrol-Alfa, INEGI e PIEP

Período: Abril 2004 a Maio 2005

Desenvolvimento de Reservatório de gás doméstico, utilizando materiais e tecnologias avançadas que permitiram a redução do peso, melhoria do comportamento mecânico, facilidade de manipulação, bem como a melhoria estética do produto.

 


AEROCORK
Integração de materiais à base de cortiça em compósitos no fabrico de aeronaves ultraleves
ver mais

Consórcio: Dyn´Aero Ibérica, Active Space Technologies, Amorim Cork Composites e PIEP

Período: Janeiro 2009 a Dezembro 2012

Financiado em 50% pelo QREN, o projecto AEROCORK desenvolveu e testou a utilização de materiais compósitos de cortiça na construção de aviões civis ultraleves. Com este projecto promove-se o desenvolvimento de um avião ultraleve ecológico através da produção, ensaio e certificação de compósitos de cortiça, com o propósito de substituir materiais sintéticos em aviões da Dyn'Aero Ibérica. O PIEP foi responsável pela previsão do comportamento mecânico dos aglomerados e pelo desenvolvimento de modelos constitutivos, através de sistemas avançados de simulação computacional.

 

 


GREENMOTION
Criação de uma rede galaico-portuguesa para impulsionar a utilização de materiais verdes no automóvel  
ver mais

Consórcio: CTAG, CIS-Madeira e PIEP

Período: Janeiro 2011 a Junho 2013

O GreenMotion teve como principais objectivos: promover a incorporação de materiais "verdes" nos veículos e criar uma rede galaico-portuguesa de empresas do sector automóvel interessadas nesse tópico. O projecto, que contou com co-financiamento europeu (fundos FEDER, programa POCTEP).

 


ECOPLAST
Investigação de novos materiais biocompósitos com base em matérias renováveis para aplicação na indústria automóvel
ver mais

Consórcio: 13 instituições europeias, integrando o PIEP e liderado pela CTAG (Espanha).

Período: Junho 2010 a Maio 2014

O projecto europeu Ecoplast, realizado no âmbito do 7º Programa Quadro, reúne investigadores de várias instituições científicas e de empresas para desenvolver biocompósitos, “feitos à medida”, que satisfaçam as especificações exigidas pela indústria automóvel e que sejam passíveis de processamento nas linhas de produção existentes.

 


ECOTRAIN
Novas soluções em compósitos de cortiça para a nova geração de comboios de muito alta velocidade
ver mais
Consórcio: Amorim Cork Composites, Alstom Portugal, ISQ e PIEP

Período: Novembro 2009 a Abril 2012

O projecto EcoTrain visou explorar a aplicação de um material compósito para Comboios de Muito Alta Velocidade, integrando soluções de materiais com cortiça. A utilização da cortiça, sob a forma de compósitos, em soluções inovadoras para pisos, paredes laterais e divisórias permitiu atingir alguns dos objectivos definidos, tendo-se destacado a redução das emissões de CO2 (em conformidade com o novo quadro normativo europeu para a indústria ferroviária), o aumento do conforto térmico e acústico, além do espaço disponível.


HC2W
Hybrid components for 2 wheel vehicles
ver mais
Consórcio: SODECIA e PIEP

Período: Dezembro 2008 a Maio 2011

O projecto HC2W consistiu no desenvolvimento de componentes para veículos motorizados de duas rodas. A ideia foi fazer a conversão de soluções actualmente fabricadas em metal para sistemas híbridos plástico-metal.


PLASCORK AUTOMOTIVE
Desenvolvimento de soluções para interiores de automóvel integrando materiais à base de cortiça
ver mais
Consórcio: Simoldes Plásticos, Amorim Cork Composites e PIEP

Período: Janeiro 2009 a Abril 2012

O projecto Plascork Automotive procurou desenvolver componentes para o interior do habitáculo automóvel, incorporando cortiça numa matriz polimérica, de forma a tirar partido das suas excelentes propriedades e características estéticas e funcionais. O projecto congrega três parceiros com sinergias, conhecimentos e capacidades complementares. O PIEP, enquanto entidade do SCTN, contribuiu com o seu conhecimento ao nível dos materiais, engenharia e processamento.


INLASER
Integração do fabrico de componentes ópticos por laser
ver mais

Consórcio: Olesa e PIEP

Período: Junho 2010 a Maio 2012

O projecto INLASER consistiu no desenvolvimento de moldes com elevado desempenho. Utilizou tecnologias aditivas de fabrico integrado de sistemas ópticos, com base em processos de montagem e integração de componentes, aplicando a tecnologia de soldadura por laser.

 

Mais informação em https://sites.google.com/site/inlaserproject/

 


VS2
Virtual inspection system for smart materials
ver mais
Consórcio: Critical Materials, Critical Software e PIEP

Período: Julho 2007 a Fevereiro 2011

O projecto VS2 permitiu desenvolver um sistema de inspecção virtual para estruturas de aeronaves, constituindo uma oportunidade de diagnóstico e controlo da integridade estrutural de sistemas/componentes críticos. A ideia base consiste na incorporação de sensores que permitam, através de software próprio, fornecer indicação sobre a integridade de componentes e sistemas. Além de potenciar intervenções apenas quando realmente necessárias, este sistema reduz o tempo e custo associados à manutenção de aeronaves.


VULCAN
Análise de vulnerabilidade para futuras aeroestruturas compostas/híbridas
ver mais
Consórcio: 14 instituições europeias, integrando o PIEP e liderado pela Swerea Sicomp AB (Suécia)

Período: Julho 2007 a Março 2011

O projecto VULCAN procurou desenvolver novas metodologias para melhorar a protecção de estruturas de aeronaves contra incêndio e pequenas explosões. Estas metodologias basearam-se na adopção de novas tecnologias de materiais e na aplicação de estratégias de concepção inovadoras, visando aumentar significativamente a segurança das aeronaves. Financiado ao abrigo do programa 6º PQ da União Europeia, o VULCAN desenvolveu algoritmos, modelos de materiais e critérios de falha para materiais compósitos e para a calibração de instrumentos de simulação numérica face a resultados experimentais.


TRAVETEC
Travessas de caminho de ferro em plástico reciclado
ver mais

Consórcio: PIEP, Extruplás e Centro de Valorização e Resíduos

Período: Maio 2012 a Abril 2014

O projecto tem como objectivo o desenvolvimento de travessas para assentamento de linhas de caminho-de-ferro em material compósito, maioritariamente constituído por plásticos provenientes da fileira dos plásticos mistos.

 


ECOACUSTIC
Desenvolvimento de produtos de segurança rodoviária com base no aproveitamento de plásticos mistos
ver mais
Consórcio: PIEP e Extruplás

Período: Abril 2013 a Março 2015

O projecto tem como objectivo o desenvolvimento de produtos de segurança rodoviária (painéis acústicos para barreiras sonoras de auto-estrada) com base no aproveitamento de plásticos mistos, que pelas suas características mecânicas, acústicas e estéticas se apresentam em condições de competir com os existentes actualmente no mercado.


CARBONFIBRE
Desenvolvimento de produtos e processos inovadores para a indústria automóvel
ver mais
Consórcio: CIE Plasfil e PIEP

Período: Janeiro 2012 a Dezembro 2013

O projecto visa a concepção e desenvolvimento de novos produtos e processos inovadores para a aplicação em componentes estruturais do automóvel, através da utilização dos CFRTs combinados com as tecnologias de injecção. Os novos produtos apresentarão características diferenciadoras e competitivas, tendo como objectivo atingir um peso global e custos de produção inferiores e um rácio peso/performance superior ás abordagens actualmente existentes.


BETTER SKY
Desenvolvimento, Teste e Demonstração de novas metodologias de projecto e qualificação de aeroestruturas em ambiente de better design
ver mais
Consórcio: EEA, CMT, CEIIA e PIEP

Período: Fevereiro 2012 a Janeiro 2015

O projecto visa desenvolver, testar e demonstrar novas metodologias de projecto e qualificação de aeroestruturas em ambiente better design, através de actividades complementares de IDT segundo três grandes linhas de inovação fundamentais: 1) metodologias de desenvolvimento e qualificação de aeroestruturas; 2) aplicação e demonstração de novos materiais e tecnologias de fabrico mais competitivas; 3) novas tecnologias e integração de equipamentos em bancos de ensaios, com especial foco na multifuncionalidade das estruturas e na integração de sistemas de sensorização para monitorização de ensaios e operações de inspecção.


XAEROSTRUCTURES
Desenvolvimento de aeroestruturas de UAV para aplicação civil
ver mais

Consórcio: Xaerosystems, Critical Materials, Active Space Technologies, INEGI, SET, Spin Works e PIEP

Período: Julho 2012 a Dezembro 2014

 

O projecto visa a definição de métodos inovadores para o desenvolvimento, teste, validação e certificação de estruturas de aeronaves, neste caso, não tripuladas, que permitam ao consórcio criar um vector claro na criação de valor para o mercado, de produtos e tecnologias desenvolvidos pela indústria nacional, para o ramo aeronáutico, utilizando o projecto como um catalisador da capacidade nacional no sector.

O projecto visa a definição de métodos inovadores para o desenvolvimento, teste, validação e certificação de estruturas de aeronaves, neste caso, não tripuladas, que permitam ao consórcio criar um vector claro na criação de valor para o mercado, de produtos e tecnologias desenvolvidos pela indústria nacional, para o ramo aeronáutico, utilizando o projecto como um catalisador da capacidade nacional no sector.


ADVANCED SHOE
Integração de soluções de materiais e de desenvolvimento de produto em calçado de elevado desempenho
ver mais

Consórcio: Procalçado, DCB, Indinor, Curtumes Aveneda, Albano Miguel Fernandes, ICC, CEI, IPB, CTCP, FCUP e PIEP

 

Período: Setembro 2008 a Agosto 2011

A ADVANCED SHOE procurou desenvolver novos materiais com funcionalidades específicas para introduzir em calçado de elevado desempenho, de forma a cumprir os requisitos normativos impostos para este tipo de aplicações. A incorporação de nanopartículas em polímeros usados nas formulações de solas tem algumas limitações no que toca à compatibilização. O estudo da compatibilização e modificação de nanopartículas comerciais e a obtenção de soluções adequadas para criar dispersões com propriedades adequadas foram os principais pontos desenvolvidos.


ATLANT TPV
Desenvolvimento de materiais termoplásticos vulcanizados para aplicação a solados
ver mais
Consórcio: Atlanta, CTCP e PIEP

Período: Janeiro 2010 a Dezembro 2012

O projecto ATLANTATPV permitiu desenvolver materiais com características físico-mecânicas próximas das da borracha vulcanizada. Os novos produtos diferenciam-se em aspectos como: menor tempo de processamento (o que permite aceitar encomendas com reduzidos prazos de resposta), diminuição de resíduos do processo produtivo e redução de custo comparativamente a materiais idênticos no mercado.


NEWALK
Materiais, Componentes e Tecnologias para Calçado do Futuro
ver mais
Consórcio: CTC, PIEP e outros

Período: Janeiro de 2012 a Dezembro 2014

Integrado na fileira do calçado do pólo da moda, o projecto NEWALK visa o desenvolvimento integrado e sinérgico de novos materiais, componentes funcionais e tecnologias avançadas para a criação, produção e comercialização de calçado diferenciado. O PIEP está envolvido em actividades designadas por NEWALK MAT - novos materiais, produtos químicos e dispositivos funcionais.


Mala Segura
Segurança e rastreabilidade de bagagens
ver mais

Consórcio: SET SA, ANA Aeroportos, Critical Software, TECMIC, INOV e PIEP

 

Período: Setembro 2008 a Fevereiro 2011

Liderado pela SET SA, o projecto Mala Segura desenvolveu uma mala inteligente que incorpora as tecnologias de comunicação e respectiva electrónica na estrutura da mala. O PIEP teve uma participação importante no consórcio, com responsabilidades no desenvolvimento do processo de fabrico da mala com RFID incorporado e na simulação do seu comportamento.

 


INLASER
Integração do fabrico de componentes ópticos por laser
ver mais

Consórcio: Olesa e PIEP

Período: Junho 2010 a Maio 2012

O projecto INLASER consistiu no desenvolvimento de moldes com elevado desempenho. Utilizou tecnologias aditivas de fabrico integrado de sistemas ópticos, com base em processos de montagem e integração de componentes, aplicando a tecnologia de soldadura por laser.

 

Mais informação em https://sites.google.com/site/inlaserproject/


FIT@PIEP – FUTURE INTEGRATED TECHNOLOGIES AT PIEP
Projecto de requalificação da infra-estrutura tecnológica
ver mais

Projecto Individual


Período: Fevereiro de 2014 a Junho de 2015

 

https://vimeo.com/167914325


 

Durante o exercício de 2014, o PIEP deu início à execução material de uma candidatura de investimento aprovada no âmbito do Sistema de Apoio a Infaestruturas Científicas e Tecnológicas - Infraestruturas Tecnológicas (SAIECT - IET/1/2014) da ON.2, a seguir detalhado.


O projecto teve como objectivo o reforço da capacidade do PIEP com os meios tecnológicos adequados e complementares aos existentes, adequando assim a organização para responder aos desafios actuais e futuros da indústria no domínio da concepção e desenvolvimento de produtos plásticos de elevada integração e funcionalidade. Esta tendência no desenvolvimento de produtos assentou, em larga medida, na utilização de soluções multimateriais e em tecnologias de processamento inovadoras (ou melhoradas) a custos competitivos face a abordagens mais tradicionais de integração e de funcionalização.

Este projecto teve início em Fevereiro de 2014 e terminou em Junho de 2015, representando um investimento total elegível de 781,6 kEuros com uma taxa de co-financiamento de 80% do total elegível.

Seguidamente apresenta-se um resumo dos principais domínios, alvos do reforço tecnológico no âmbito deste projecto de investimento.


Tecnologias de Integração Produtiva


Sistema IML / IMD para integração de filmes

Sistema a integrar no equipamento de moldação por injecção existente no PIEP, possibilitando a incorporação de filmes (estéticos e de electrónica flexível) em peças moldadas por injecção.

Sistema LDS-LPKF MID3D

Equipamento patenteado LDS-LPKF (Laser Direct Structuring) que permitirá o desenvolvimento de competências e capacidade para a definição de circuitos condutores em superfícies geométricas complexas moldadas por injecção, de forma industrialmente robusta.

Robot de manipulação

Equipamento auxiliar para a manipulação de reforços termoplásticos, nomeadamente o processo de aquecimento e o posicionamento.


Caracterização Térmica e Análise Química


TGA com interface para ligação a FTIR

Equipamento para análise térmica por termogravimetria (TGA) com interface para ligação ao FTIR existente, possibilitando a análise química dos produtos (gases) da decomposição térmica.

Ultra micro-balança

Balança para pesagem de amostras na gama das microgramas e miligramas, com precisão de 0,1 µg, para análise térmica por DSC.

Centrífuga

Equipamento para centrifugação de soluções e separação de insolúveis.

Equipamento de dispersão por ultrassons

Equipamento para agitação de soluções, promovendo a dispersão de nanopartículas e outros solutos em soluções.

Hotte

Aumento da capacidade do laboratório de química.


Caracterização Reológica de Materiais


Acessório de caracterização Pressão-Volume-Temperatura (PVT)

Caracterização PVT (Pressão-Volume-Temperatura) de materiais termoplásticos, possibilitando a utilização destes dados em sistemas de simulação existentes no PIEP (MOLDFLOW).

Acessório de caracterização Condutividade Térmica (CT)

Caracterização condutividade térmica de materiais, possibilitando a utilização destes dados em softwares de simulação existentes no PIEP (MOLDFLOW).

Viscosímetro

Determinação do número de viscosidade de poliamidas, viscosidade inerente/ intrínseca de PET e PBT, valor k de PVC.


Avaliação de Propriedades Estéticas e Controlo de Espessuras


Medidor de brilho

Avaliação do brilho, sendo relevante a sua aplicação produtos moldados com filmes decorativos integrados.

Medidor de cor

Avaliação da cor, sendo relevante a sua aplicação produtos moldados com filmes decorativos integrados.

Câmara de Luz

Avaliação de cor sob a influência de diferentes condições de iluminação (luz de dia, fontes incandescentes tipo A, tipo CFW e TL84, bem como UV).

Equipamento automático de aplicação de revestimentos (auto coating)

Avaliação da deposição de revestimentos sobre substratos flexíveis, possibilitando desta forma ajustar os parâmetros relevantes, como sejam a viscosidade de soluções.

Equipamento para ensaio Stress-Cracking

Avaliação a resistência à fissuração em meio tensioactivo (ESC), o qual terá relevante para a avaliação desta propriedade no âmbito da integração de películas funcionais de PET.

Medidor de espessuras de alta precisão

Medição de espessura de camadas em produtos multicamada, nomeadamente coatings, adesivos e filmes.

Acessórios para a determinação do nível de adesão de revestimentos

Determinar o nível de adesão de revestimento nos produtos moldados com a integração de filmes.


Caracterização Mecânica


Máquina universal de ensaios mecânicos

Equipamento universal de ensaios mecânicos com célula de carga de 300 kN para caracterização mecânica de compósitos termoplásticos e termoendurecíveis.

Através da implementação deste projecto, o PIEP pretendeu reforçar a sua capacidade de resposta às necessidades do sector dos plásticos e indústrias conexas, tipicamente caracterizados por elevada exigência tecnológica de concorrência global, com dinâmicas tecnológicas muito fortes e de capital intensivo, em particular o sector automóvel, aeronáutica e electrónica.


LEGOUSE
Pré-fabricação modular de edifícios de custos controlados
ver mais
Consórcio: Mota-Engil – Betão e Pré-fabricados, CIVITEST, Universidade do Minho e PIEP.

Período: Outubro de 2009 a Agosto 2012

O projecto LEGOUSE procurou desenvolver um sistema modular para construção civil baseado na assemblagem de elementos pré-fabricados. Os novos produtos fundamentam-se no conceito de painel sanduíche pré-fabricado constituído por camadas externas em BRF (betuminosos reforçados com fibras), ligadas por material leve, GFRP (plásticos reforçados com fibras), originando um painel com propriedades estruturais apropriadas e bom isolamento térmico e acústico. A rapidez de construção e o custo dos elementos construtivos tornará estas habitações competitivas face às soluções tradicionais.


THERMOCOMPRESS
Reservatórios em compósito para acumulação e transferência de energia
ver mais
Consórcio: Vidropol, Gislótica e PIEP.

Período: Dezembro de 2011 a Dezembro 2014

O projecto visa o desenvolvimento de soluções de reservatórios inovadores em material compósito que possam substituir, com evidentes vantagens, os tradicionalmente aplicados no mercado, em particular nas seguintes áreas: termoacumuladores, acumuladores/permutadores de calor de painéis solares térmicos, acumuladores hidrostáticos de pressão e filtros de piscinas.