16 Julho 2021
Centro de excelência do Norte de Portugal/Galiza cria 30 materiais com base em resíduos

Projeto Valornature é liderado pelo PIEP, interface da UMinho, e envolve mais de 50 instituições e empresas

 

Viseiras a partir de cabides, trotinetes com laminado de madeira e carbono, novos recipientes cosméticos, móveis diferenciados, cabides reciclados da Adolfo Dominguez, peças injetadas para veículos, fibra de carbono verde, estruturas para construção, artesanato e rifles submarinos. Estes são exemplos da trintena de materiais agora criada no Norte de Portugal e Galiza com resíduos do setor primário.

Trata-se do projeto Valornature – Centro de Excelência em Materiais Sustentáveis da Euro-Região e é liderado pelo PIEP – Pólo de Inovação em Engenharia de Polímeros da Universidade do Minho, em parceria com Agência Galega da Indústria Florestal e o Centro Tecnológico do Automóvel da Galiza. A iniciativa teve 2.3 milhões de euros do Interreg, juntando desde 2018 mais de 50 entidades a valorizar subprodutos agroflorestais, marinhos, extrativos em áreas-chave da economia, como automóvel, aviação, naval, construção e desporto.

Este centro de excelência avaliou no início o potencial dos recursos endógenos do noroeste ibérico. Caraterizou-se 12 resíduos em particular, como por exemplo, biomassa de giesta, toxo, vide, oliveira, kiwi, casca de mexilhão, pó de pedra e resíduos industriais, e depois desenvolveu-se mais de 30 materiais sustentáveis, um protótipo de fibra de carbono verde e 25 demonstradores tecnológicos, em parceria com várias empresas da Euro-Região do Norte de Portugal e da Galiza. Os resultados foram agora divulgados em Santiago de Compostela.

“O Valornature é um verdadeiro ecossistema de inovação e transferência de tecnologia, capaz de promover investigação de excelência com base em modelos de economia circular e simbiose industrial”, diz o diretor do projeto, Bruno Pereira da Silva. “Permite responder às necessidades do setor empresarial de toda a euro-região e, assim, aumentar os níveis de competitividade industrial, diminuir a taxa de desemprego e afirmar a resiliência deste território com mais 6.4 milhões de habitantes”, acrescenta.

O PIEP nasceu em 2000, em Guimarães, por iniciativa da indústria e em estreita ligação à UMinho e ao IAPMEI. Dá resposta às necessidades de I&D de empresas de diversos setores, apoiando na formação e na criação de produtos inovadores, tecnologias e ferramentas. Tem realizado inovações como uma cápsula espacial, uma mala inteligente, um biopolímero resistente e soluções para a alta velocidade.

Mais sobre o projeto Valornature

Partilhar

Outras notícias

10 Novembro 2021
Webinar “Composites and Digitalization… Potential benefits to the industry”
02 Novembro 2021
PIEP marca presença na feira Moldplas
Este site pode utilizar Cookies para manter informação do visitante, permitindo determinar as suas preferências, auxiliar no preenchimento de formulários, permitir o acesso a áreas privadas do website onde seja necessária autenticação, bem como recolher indicadores de performance, origem e horário dos acessos ao website.
aceito