04 Janeiro 2022
Moldação integrada de componentes de baixo peso para a indústria automóvel

Nos últimos anos, a moldação integrada de componentes tem vindo a suscitar um interesse crescente por parte dos grandes fabricantes da indústria de plásticos. Com a integração de processos é possível, numa única etapa produtiva, produzir componentes sem necessidade de pós-processamento ou passos intermédios e, consequentemente, reduzir os tempos de produção, possibilitando ainda, aumentar a eficiência energética, a redução de desperdícios, resultando num processo mais sustentável, com diminuição dos custos associados.

 

No âmbito do Clube de Fornecedores Bosch, o projeto I&DPIIMIO tem como principal objetivo a obtenção de soluções integradas para a produção de componentes para a indústria automóvel, estando assente em dois pilares de inovação: a integração de processos numa única etapa, conjugando a integração das tecnologias In-Mould Electronics (IME), a sobreinjeção e a utilização da tecnologia de injeção microcelular (MuCell). Na Figura 1, encontra-se uma representação da geometria do componente em estudo.

Figura 1 – Moldação integrada de componentes de baixo peso para a indústria automóvel.

O consórcio é composto pela GLN Plast, o promotor líder, o Pólo de Inovação em Engenharia de Polímeros (PIEP), a GLN Molds, a Universidade do Minho e o Centro de Nanotecnologia e Materiais Técnicos, Funcionais e Inteligentes (CeNTI).

A injeção microcelular surge como uma solução para a produção de componentes com redução de peso, uma vez que permite a criação de componentes dotados de uma estrutura celular (criada pela expansão do gás introduzido durante o processo de injeção), reduzindo assim a quantidade de material necessária ao processo. A fase de expansão celular possibilita uma redução significativa do tempo de ciclo, já que é possível reduzir o tempo necessário para a fase de compactação e redução na força de fecho necessária. O gás, introduzido na sua fase supercrítica, promove ainda a diminuição da viscosidade do material a injetar, facilitando a utilização de velocidades de injeção mais elevadas, reduzindo ainda mais o tempo de ciclo. Desta forma, é possível reduzir em grande escala o tempo de ciclo necessário para a produção de um componente (15 – 40%).

Embora a tecnologia exista desde a década de 80, só agora começa a ganhar maior impacto no mercado justificado por uma falta de interesse inicial, devendo-se em grande parte aos custos de aquisição associados e, à redução de propriedades mecânicas nos componentes produzidos. No entanto, a partir de um processo controlado, é possível obter peças com estruturas celulares uniformes, permitindo controlar o grau de perda de propriedades mecânicas e garantir a integridade peça a peça. Assim, a partir da combinação da injeção microcelular com diferentes tecnologias com é possível obter componentes capazes de responder aos requisitos das aplicações para as quais foram concebidos.

No projeto, o desenvolvimento do componente está a ser suportado por simulações numéricas do processo produtivo. Numa primeira fase, este processo permitiu a definição o tipo de gás mais adequado para a produção do componente em estudo. Foi possível prever a dimensão e densidade celular ao longo de toda a peça, como demonstrado nas Figuras 2 e 3. Os resultados possibilitaram também estimar a redução de peso espectável para o componente em questão, tendo sido prevista uma redução máxima de 13% relativamente a uma peça injetada pelo método de moldação por injeção convencional. Além disso, permitiram estimar uma redução do tempo de ciclo na ordem dos 20%.

Figura 2 – Vista em corte da distribuição da densidade celular do componente em estudo.

 

Figura 3 – Vista em corte da distribuição do tamanho celular do componente em estudo.

Graças à injeção microcelular, foi possível melhorar a tolerância dimensional do componente, tendo sido prevista uma redução de 35% em empeno e de marcas de chupados na peça. De forma a prever potenciais problemas, a simulação numérica foi ainda utilizada de forma a dar resposta no processo de conceção conceito de molde, auxiliando na idealização da ferramenta produtiva contemplando injeção multicomponente, capaz de integrar o filme IME e sobreinjeção de peças num único processo. Por fim, é de referir que, no componente final, está contemplada a incorporação de um revestimento anti-risco e anti-reflexo, que permitirá garantir a funcionalidade do produto em desenvolvimento.

Agradecimentos

Trabalho realizado no âmbito do projeto I&DPIIMIO – I&D de Processos para Injeção Integrada POCI-01-0247-FEDER-042832, financiado pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER) através do Programa Operacional Compete 2020.


Autoras:

 

Diana Dias, Técnica Principal da área de Processos Avançados de Fabrico – Polímeros do PIEP;

Rita Marques, Gestora de Projetos da área de Processos Avançados de Fabrico – Polímeros do PIEP;

Sílvia Cruz, Coordenadora da Área de Processos Avançados de Fabrico – Polímeros do PIEP.

Artigo originalmente publicado na revista InterPLAST.

Saiba mais sobre a I&D da área de Processos Avançados de Fabrico – Polímeros.

Pedro Costa, Gestor de Projeto I&D;

Miguel João, Responsável Técnico na GLN.

Partilhar

Outras notícias

19 Janeiro 2022
PIEP obtém dupla certificação pelo seu Sistema de Gestão de Qualidade e IDI
22 Dezembro 2021
PIEP integra 10 projetos do PRR de inovação empresarial
Este site pode utilizar Cookies para manter informação do visitante, permitindo determinar as suas preferências, auxiliar no preenchimento de formulários, permitir o acesso a áreas privadas do website onde seja necessária autenticação, bem como recolher indicadores de performance, origem e horário dos acessos ao website.
aceito